domingo, 16 de outubro de 2016

Arrependimento e o Reino

João Batista preparou o caminho do Messias ao pregar a mensagem que traria: ‘‘Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus’’ (Mt 3.2 que é uma citação da profecia de Is 40.3-5).

Ele era um grande pregador que proclamava o Evangelho em lugares longínquos. Muita gente ia até ele escutar suas mensagens evangelísticas. Muitos ao refletirem sobre suas vidas e perceberem a real necessidade de arrependimento e fé no Messias, prontamente, confessavam seus pecados e eram batizados por João.
 
Acompanhe Mateus 3.1-10:

Naqueles dias apareceu João, o Batista, pregando no deserto da Judéia, dizendo: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus. Porque este é o anunciado pelo profeta Isaías, que diz: Voz do que clama no deserto; Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas. Ora, João usava uma veste de pelos de camelo, e um cinto de couro em torno de seus lombos; e alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre. Então iam ter com ele os de Jerusalém, de toda a Judéia, e de toda a circunvizinhança do Jordão, e eram por ele batizados no rio Jordão, confessando os seus pecados. Mas, vendo ele muitos dos fariseus e dos saduceus que vinham ao seu batismo, disse-lhes: Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira vindoura? Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento, e não queirais dizer dentro de vós mesmos: Temos por pai a Abraão; porque eu vos digo que mesmo destas pedras Deus pode suscitar filhos a Abraão. E já está posto o machado á raiz das árvores; toda árvore, pois que não produz bom fruto, é cortada e lançada no fogo.

O texto faz um destaque quanto aos fariseus e saduceus que eram religiosos muito respeitados e tradicionais daquele contexto e cumpriam a rigor, porém sem entendimento correto, a Lei de Moisés. Os judeus entendiam que por alguém pertencer a uma daquelas religiões, certamente, tinha a aprovação de Deus.

No entanto, contrariando todas as expectativas, João condenou a atitude deles de quererem o batismo sem genuíno arrependimento de seus pecados e sem quererem abandonar a religião que os separava de Deus. Certamente, eles próprios se achavam dignos do batismo de João. Mas claramente João diz: produzi, pois, frutos dignos de arrependimento.

O Messias não viria naquele contexto para libertar os judeus da opressão do Império Romano como ansiavam. Por um motivo superior, é que Ele viria: para morrer no lugar do homem pecador arrependido, liberta-lo da condenação eterna e dar nova vida. Esta é a maravilhosa graça de Deus.

Mesmo assim, diante desta dádiva, o homem é convocado ao arrependimento, porque não se pode ao mesmo tempo testificar conversão e vida de pecados. Ao contrário, os moradores do reino celeste desejam ardentemente o arrependimento das mazelas de seus corações e eles mesmos agem assim porque têm a semente Divina plantada em seus corações (I Jo 3.9).

A situação deplorável dos fariseus e saduceus levou João a exorta-los dizendo que ainda estavam no inferno por confiarem em seus próprios méritos religiosos. João os chamou ao arrependimento e a uma vida longe do orgulho religioso que cegavam suas mentes.
O teor do espírito religioso daquele tempo não é diferente do de hoje. Será que você igualmente está no auto-engano de pensar que pode continuar sua vida de pecado e ainda ter o Reino? Será que você se apóia na sua religião como eles faziam? O reino dos céus não é para os religiosos orgulhosos e sim para os arrependidos sinceros.

Ao olhar para você, Cristo está vendo uma vida de arrependimento ou tentativas de conciliar religião com pecado e vida sem arrependimento? Se não é nem um pouco religioso, tanto faz, pois a mensagem de arrependimento é para todos, religiosos orgulhosos (hipócritas), ateus, sem religião, etc. O Reino é para quem é sensível ao pecado e prontamente se arrepende de cada um deles, confiando na substituição providenciada na Cruz.

Não basta ser batizado e ou ser membro de uma igreja, seja evangélica tradicional ou não, não importa! O que importa é o arrependimento no coração e a consecutiva frutificação coerente com este arrependimento. Se você se apóia em sua membresia e vive no pecado, quais são os frutos dignos que você vai apresentar? Até agora, com esta vida, você está lançado no inferno porque está brincando de ser membro de igreja! O descompromisso com a causa do reino dos céus é a sua condenação.

Lembre-se da exortação de Paulo: ‘‘Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus’’ (I Co 6.9-10).

Se eu me dirijo a alguém que pecou e é nascido de Deus, lembre-se que Cristo morreu por este pecado. Então levante-se do tropeço e continue sua vida de frutificação digna. Se há no seu coração arrependimento, há então perdão para você porque o Senhor é fiel: ‘‘O SENHOR firma os passos do homem bom e no seu caminho se compraz; se cair, não ficará prostrado, porque o SENHOR o segura pela mão’’ (Sl 37.23--24).
 
Tibério Bezerra

Nenhum comentário:

Postar um comentário